Uma incomum amizade que já dura anos…

Em 2011, um pinguim apareceu em uma praia do Rio de Janeiro coberto de óleo e faminto. Para sua sorte, ele foi resgatado por João Pereira de Souza, um pedreiro aposentado que morava na região. Durante uma semana, Souza lavou as penas sujas do pinguim e o alimentou com peixes para que ele recuperasse as forças a pudesse voltar ao seu habitat natural. Acontece que ele não quis voltar!

Veja também: Velhinho tricota suéteres para pinguins

Desde essa época, Dindim – nome que foi dado ao pinguim – passa cerca de 8 meses por ano na casa de Souza. O biólogo João Paulo Krajewski, que entrevistou Souza para a Rede Globo, conta que nunca viu nada igual. “Eu acho que o pinguim realmente acha que João é parte da família e provavelmente que é um pinguim também” conta Krajewski. E segue: “ Quando Dindim avista o João e sacode o rabo como um cachorro e grasna de alegria”.

Souza conta que, as vezes ele entra no mar e desaparece por dias, semanas ou mesmo meses, mas sempre acaba voltando para casa dele.

Os Pinguins-de-magalhães vivem cerca de 25 anos e são conhecidos pela sua lealdade, mantendo a mesma parceira até o fim da vida. Eles normalmente se reproduzem na Patagônia, mas devido a mudanças climáticas, cada vez mais animais marinhos tem se “perdido” e acabando e locais em que não conseguem sobreviver. Dindim teve sorte de encontra alguém que cuidasse dele.

27-Dindim-Penguin 27-dindim